mercearia bio, a entregar bio desde 2007

Os Convidados e Equipa da Festa dos 10 Anos

Os 14 anos são mesmo um feito em si mesmo. Eu explico… Para uma microempresa, como é o caso da Bio Desafios, que começou apenas com os seus fundadores, como mão-de-obra, com os seus capitais próprios, 100% nacionais, exclusivamente provenientes de poupanças de alguns anos de atividade profissional, portanto capitais modestos – começamos com €5.000 de capital social – o mínimo exigido na altura para abrir uma empresa e podemos dizer que é tudo nosso.

Dados da Pordata indicam que pouco mais de 50% das empresas sobrevivem aos primeiros 2 anos. E o número de empresas resistentes vai sendo mais reduzido com o passar dos anos.

É justo e importante dizer que, embora tenhamos começado só nós, os fundadores, a Ana e o Pedro, todos os Colaboradores que estão com a Mercearia Bio, como o Nuno que já vai para os 12 anos, ou o Rui que veio estagiar quando ainda era menor, a Helena, nossa Designer que começou quando a Mercearia Bio não passava ainda de uma ideia, assim como todos os que ao nosso lado estiveram dando o seu contributo e a emprestar a sua alma ao projeto, fizeram e fazem de nós o que somos hoje.

E somos uma microempresa com valores, os que escolhemos para o nosso “cartão de cidadão” são a transparência, a amizade, a justiça e a individualidade/personalização, mas muito haveria a acrescentar, porque o respeito, pelas pessoas, todas sem exceção, pelo ambiente e o que ele nos dá e a forma como nós devolvemos, entre tantos outros princípios morais que partilhamos.

Não há segredos nem receitas para o sucesso, que não sejam a dedicação, a paixão e o acreditar nas nossas capacidades. E se a perseverança é uma palavra que junta tudo isto de forma eficaz, como se fosse o copo misturador, falta ainda acrescentar o foco 100% biológico, que sempre serviu de moldura à nossa atividade e a que associamos a sustentabilidade, que está hoje tanto na ordem do dia.

A Família, está mesmo na génese da Mercearia Bio e sempre presente. Eu e a Ana começamos este projeto ainda antes de termos os nossos Filhos, o Pedro, primeiro, e a Clara mais tarde. Hoje, embora separados, continuamos a trabalhar juntos e a partilhar o projeto, e ainda mais importante, a ser uma Família, por estranho que para algumas pessoas possa parecer, e apesar de separados somos uma Família perfeitamente funcional e harmoniosa, Crianças e Pais felizes!

Foto da Equipa da Festa dos 10 Anos!

O caminho não tem sido fácil nem lucrativo. Mas, aqui falo apenas por mim, gosto do que faço, é variado, pouco rotineiro, estimulante, desafiante, preenchedor (fulfilling) com a aprendizagem constante que marca os meus dias, com os nossos Fregueses, Colaboradores e todas as Pessoas com quem nos relacionamos. Dá-me a possibilidade de viajar… pelo Algarve, e como há paisagens bonitas pelos locais que visitamos para fazer as nossas entregas!

E se já é, ou tem sido, bom assim, eu, otimista convicto, quero acreditar que o melhor, de nós e da Mercearia Bio, está ainda para vir!

Obrigado a todos os que nos têm acompanhado!

mudar a nossa relação com as embalagens

English Version after the Portuguese one

Na Mercearia Bio, sempre tentamos reduzir o uso de sacos, caixas e todas as formas de embalagens desnecessárias. Há já vários anos que deixamos de disponibilizar sacos plásticos, que substituímos por sacos de papel, disponibilizando também sacos reutilizáveis ​​de algodão biológico.

A próxima etapa será introduzir um valor simbólico a cobrar pelos sacos de papel e, com o dinheiro angariado, encaminhar para uma instituição de caridade local. Isto porque o objetivo, ao cobrar, é sensibilizar para a necessidade de todos reduzirmos a utilização desnecessária de embalagens e incentivar à reutilização. Na nossa loja também disponibilizamos caixas de papelão reutilizadas para livre uso dos nossos Fregueses.

Os materiais que utilizamos para o take away do serviço de cafetaria sempre foram totalmente compostáveis. Antes da pandemia já estávamos a trabalhar para substituir os materiais de take away compostáveis por caixas de plástico reutilizáveis ​​que venderíamos e que poderiam ser trazidas para uma nova refeição ou simplesmente devolvidas para reembolso, mantendo em aberto a possibilidade do Freguês trazer a sua própria embalagem. Mas, quando a pandemia veio, sentimos que teríamos que retroceder nesta matéria específica.

Antes da Pandemia, tínhamos um dia especial aos sábados na Mercearia Bio Café que chamávamos de Green Saturdays (Sábados Verdes) e oferecíamos descontos em produtos frescos hortofrutícolas e frutos secos a granel, se os Fregueses não usassem sacos e trouxessem os seus próprios frascos para os frutos secos. Oferecíamos também um desconto especial no serviço de cafetaria se os Fregueses viessem até nós de bicicleta, skate ou qualquer outro veículo amigo do ambiente.

Nos serviços que disponibilizamos através da loja online tentamos reutilizar, tanto quanto podemos, todos os tipos de caixas de cartão e plástico que recebemos de nossos fornecedores e produtores. Procuramos também não utilizar plástico nas nossas caixas, embora por vezes, devido à natureza dos produtos, seja realmente necessário. No entanto, sentimos que algumas pessoas não estão satisfeitas com essa reutilização. Pretendemos, por isso, passar a decisão para o Freguês e perguntar no momento da encomenda se pretende caixas reutilizadas ou novas.

Estamos sempre em busca de novas soluções, mas às vezes o custo das soluções disponíveis é uma barreira para uma adoção rápida da mesma. Em nossa opinião, o maior problema que enfrentamos não é tanto o problema dos materiais usados ​​na embalagem quando vamos às compras, mas da maneira com que a maioria das pessoas vê a embalagem, como descartável.

Os nossos pais, dependendo da idade de cada um, e a’vós, costumavam reaproveitar garrafas, caixas, potes, frascos, latas, todo tipo de vasilhame que compravam e deitavam muito pouca coisa fora. À medida que as garrafas se tornaram amplamente sem tara retornável, conforme abandonamos o hábito de trazer o nosso próprio saco de pão ou deixamos de usar o balde para o lixo orgânico – lembro-me da minha mãe forrar o balde com jornais velhos, já que sacos plásticos eram demasiado preciosos para deitar fora – entre muitos outros hábitos que se perderam, começamos a ver todas as embalagens como descartáveis.

Todos entramos alegremente na era do descartável, sem prever nem pensar nos problemas que daí adviriam e com os quais nos deparamos nos dias de hoje. Alguém se recorda da sua última ida a qualquer cadeia de fast food? E de qual o volume de embalagens descartáveis que geraram e se tornaram resíduos? Serve bem para refletir!

Embora os materiais sejam importantes, não tenho certeza se eles são o principal problema aqui… Tenho um copo de plástico da “tupperware” que trouxe emprestado da casa da minha Mãe há alguns anos atrás. Deve ter mais de 40 anos. O problema não é tanto o plástico ou qualquer outro material, mas a maneira como o usamos.

E as embalagens compostáveis ​​feitas de plantas serão elas uma solução sustentável? Pessoalmente, ainda não tenho tanta certeza disso.

Na Mercearia Bio temos procurado ativamente influenciar uma mudança nas embalagens que os fornecedores disponibilizam. Muitas soluções novas estão a aparecer e ficamos felizes em ver cada vez mais que isso é um motivo de preocupação.

Preparamo-nos para estabelecer, na Mercearia Bio, uma meta para o final de 2022, para disponibilizar apenas produtos a granel ou em embalagens sustentáveis. Ainda estamos a trabalhar nisso porque existem vários problemas, principalmente nos produtos frescos, mas estamos confiantes que se a procura – todos nós Consumidores – fizer a sua pressão, tanto os produtores primários quanto a indústria irão atrás das soluções mais sustentáveis.

Uma coisa é certa, vamos estar por aqui para fazer a nossa parte!

English Version

changing our relationship with packaging

At Mercearia Bio we have been always trying to reduce the usage of bags , boxes and all forms of unnecessary packaging.

We have long discontinued the plastic bags and replaced them by paper bags. making available also organic cotton reusable bags. The next step will be charging for the paper bags and the money that we get from it would most likely go to a local charity. In our store we also make available reused cardboard boxes. 

Our take away materials for the coffee shop service have always been fully compostable.

Before the pandemia we were already replacing the take away disposable materials by reusable plastic boxes that we would sell and that could be brought for a refill or simply taken back for a refund. But as the pandemia came we felt that we would have to go back on this particular issue.

Before the Pandemia we ran a special day on Saturdays at our store, we called it Green Saturdays, and we would offer discounts in the fresh produce and bulk dried fruits if Customers did not use any bags and brought their own jars for dried fruits. We would also offer a special discount in the coffee shop service if Customers came to us by bike, skate or any other environment friendly vehicle.

In our online store service we try and reuse as much as we can all sorts of cardboard and plastic boxes that we get from our suppliers and producers. We also try not to use plastic in our boxes, although sometimes due to the nature of the products it is really necessary. Nevertheless we feel that some people are not happy with these reusage. We are therefore planning to ask at the moment of ordering if the Customer wants reused boxes or new ones.

We are always looking for new solutions, but sometimes the cost of the available solutions are a barrier to a quick adoption.

In our point of view the biggest problem we face is not as much the problem of the materials used in the packaging when we go shopping, but the way most people see the packaging as disposable.

Our parents, depending on your age, and grandparents, were used to reuse bottles, boxes, jars, every type of container they bought and they threw away very little. As bottles became widely non refundable, as we dropped the habit of bringing our own bag  for bread, using literally the bin for organic litter – I remember my mother lining up the bin with old newspapers as plastic bags were too precious to throw away – and many other habits that were lost.

We all happily entered the era of the disposable without foreseeing the problems that would come and with which we are now faced. So although the materials matter I am not so sure if they are the main issue here… I have a plastic cup from “tupperware” that I borrowed from my mothers’ home a few years ago. It must be over 40 years old. The problem is not so much the plastic or any other material but the way we use it.

And is compostable packaging made from plants a sustainable solution? I personally am not so sure about it.

At Mercearia Bio we have been assisting to a shifting in the packaging that suppliers make available. A lot of new solutions are coming up and we are happy to see more and more this is a matter of concern.

At Mercearia Bio we are setting a goal for the end of 2022, to make available only products in bulk or in sustainable packaging. We are still working on it as there are several problems, specially in the fresh products, but we are confident that if the demand pushes both primary producers and the industry will go after the solutions.   

One thing is for sure, We will be playing our part!